quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Novo vídeo - O céu é azul

https://www.youtube.com/watch?v=ZIqEk5cS8vs

Companheira

Quando de luto por toda a extensão,
dos firmamentos o céu se reveste,
e calmamente repousa a criação,
sob o infinito da esfera celeste.

Ela de mim se aproxima então,
e me pergunta: "Tu não adormeces?
Larga estas dores, toda esta aflição.
Eu não entendo por que te esmoreces.

A todo instante eu estou ao teu lado,
e te consolo com todo o carinho,
mas mesmo assim tu te sentes fadado,
em que estarás para sempre sozinho."

Eis que então penso no que foi falado,
e tenho mesmo que lhe dar razão.
Como me posso sentir desprezado,
se sempre estive com a Solidão?

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: theguardian.com



 

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Dança

Vejo as pessoas cantando e dançando,
numa folia que aos próprios céus alcança,
e em pouco tempo me vou enojando,
de ver toda esta bizarra lambança.

Às vezes penso estarem provocando,
vendo aonde o desespero me lança,
como se me estivessem colocando,
a própria sanidade na balança.

Há os que tentam e vem perguntando:
"Por que não danças também a "Esperança"?",
tenho que então persistir explicando:
"Nunca aprendi como é que isto se dança..."

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: dancesparks.co.uk/


sábado, 18 de outubro de 2014

Bancos da praça

Eis que eu escuto ao passar pela praça,
quando me insultam os bancos baixinho,
e sem pudor dizem: "Mas que desgraça,
olha o mancebo que segue sozinho!"

Outros se sentam e estão à vontade,
dão e recebem amor e alegria.
Quis saber então, saber a verdade,
por que comigo isto não ocorria.

A muito medo fui me aproximar,
e o banco disse: "Estamos reservados",
"Mas como que isto se pode passar?!"
"Nós somos bancos só de namorados"

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: arkaplanda.com


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Chuva

Tenho uma amiga que ninguém mais tem,
desce dos céus só pra me confortar.
Muitos se queixam de quando ela vem,
mas eu jamais deixo de me alegrar.

O tilintar de suas notas me acalma,
do seu piano, tão doce a melodia.
Cura-me todas as feridas da alma,
ainda que seja só por um dia.

Com um carinho quase maternal,
lava-me a face de todo o meu pranto.
Leva pra longe de mim todo o mal,
e é nos seus braços que faço um recanto.

Ó minha leal amiga tão amada,
certifica-te de que não esqueces,
de no regresso para tua morada,
levar contigo também minhas preces.

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: commentsyard.com


sábado, 11 de outubro de 2014

Saudade

Sinto saudade...

De sair apressado para casa,
depois de muitas horas trabalhadas,
já com meu peito todo ardente em brasa,
ansioso das carícias reservadas.

Sinto saudade...

De ver nos olhos d'outrem todo o amor,
que por meu coração fora sonhado.
Tanta alegria que até causa temor,
de ser um dia de tudo isto privado.

Sinto saudade...

Dos meus desejos não ter que sonhar,
pois o que q'ria já tinha acordado.
O amanhã não deixar me intimidar,
já que ela sempre estaria ao meu lado.

Sinto saudade...

Do tempo nem me aperceber passar,
quando eu estava com ela abraçado.
Ó tenho sim...tenho que confessar...
sinto saudade de quando era amado...

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: swimcyclerun.wordpress.com


Canal no youtube!

Dizendo a Mente agora tem um canal no Youtube! Uma ótima opção para aqueles que apreciam não só ler como também ouvir a poesia.

Confira nosso primeiro vídeo.
https://www.youtube.com/watch?v=cjkgenFgSwc

https://www.youtube.com/watch?v=cjkgenFgSwc

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Sonhos e pesadelos

Ao invés desta luz que me encandeia,
dum astro altivo, prepotente e rude,
prefiro a noite, que esta não receia
minh' alma, pois com brilho não a ilude.

À noite enquantos os homens tomam ceia,
e saciados vão pros seus aposentos,
minha mente pra mui longe vagueia,
e teço 'inda acordado pensamentos.

Sonho com mágoas, tristezas e dores,
por vezes ouso mesmo uma quimera:
puros, inocentes, lindos amores,
ou quem sabe paixão de primavera.

E começando o sol a fulgurar,
é que tremo ao lembrar meus pesade-los,
pois pior do que com teus medos sonhar,
é quando acordar teres de vive-los.

Breno Sarranheira.

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCgxeH_WQ9OGcoQ4IaAMI3eg

Imagem: greylynx.deviantart.com


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Não

Não me olhes com carinho,
não tentes me enganar,
não me fales de mansinho,
não finjas te importar.

Não me abraces com doçura,
não queira me entender,
não me trates com ternura,
não tente me convencer.

Não venha me animar,
não queira me fazer crer,
pois se ninguém me quer amar,
como é que podes tu querer?

Breno Sarranheira.

Imagem: boomwallpaper.com


domingo, 5 de outubro de 2014

Deseje algo com todo o seu coração e o sucesso será, não provável, mas inevitável.

Breno Sarranheira.

sábado, 4 de outubro de 2014

Nome de família

Seja do monte ou da herdade,
isto é que eu já não sei bem,
mas o que sei que é verdade,
é que ninguém mais o tem.

Até já vi semelhante,
mas jamais um mesmo igual.
O nosso nome é importante,
e vai ter fama mundial.

Não houve outra em Portugal,
é primeira e derradeira,
dum nome tão especial,
a família Sarranheira!

Breno Sarranheira.



Por mais que a madrugada da tristeza seja fria e escura, o sol da felicidade sempre nasce, e quanto mais tempo a escuridão dura, mais perto está a manhã.

Breno Sarranheira.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Desistir

Desisti de continuar a tentar,
agradar quem não me agrada também.
De com palavras mansas embalar,
o coração de quem não me quer bem.

Desisti pois, de tentar compreender,
como interpretam aquilo que digo.
De entender se o que lhes passo a dizer,
me faz ou não parecer um amigo.

Desisti de pros outros disfarçar,
esta minha constante frustração.
De encontrar quem valha o risco de amar,
pra quem eu pudesse dar meu coração.

Breno Sarranheira.

Imagem: forum.tkaraoke.com



quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Era uma vez

Eu vou contar-vos uma bela história,
duma princesa dos tempos atuais,
mas que mesmo assim evoca memórias,
daquelas antigas, das ancestrais.

Era uma vez uma meiga donzela,
que trabalhava com muito vigor,
e só queria o que qualquer um anela,
ter a sua vida repleta de amor.

Mas apesar de ser muito esforçada,
o seu esforço não era apreciado.
Na sua casa era muito maltratada,
por aquele com quem tinha casado.

Pouco a pouco, seu olhar brilhante,
seu coração, começou a atraiçoar,
e eu vi que o seu verdadeiro semblante,
era o que ela tentava não mostrar.

Suas tristezas passou-me a relatar,
destilando a agonia do coração.
Tudo que ela tinha de suportar,
tantas dores, tanta ingratidão.

Toda sua mágoa eu gravava na mente,
tentando abafar o que o peito urrava:
indignação dela ser complacente,
com as feridas das quais se queixava.

Um dia por fim não pude suportar,
continuar a ver sua humilhação.
Fui embora jurando não voltar,
sem ver que ela tinha meu coração.

Havendo já muito tempo passado,
é que resolvi procura-lo então,
quis saber se ela mo tinha roubado,
ou se o recebera da minha mão.

Tolo, achei que não iria sentir nada,
que meu pulso não ia acelerar.
Não entendia a frase celebrada:
"Amor puro nunca vem a acabar."

E chegando lá fiquei pasmado,
quando ela me mostrou meu coração.
Estava tal qual o tinha deixado,
nenhuma marca, nenhum arranhão.

Mas por fim eu tive pois que partir,
talvez não estivesse destinado,
embora eu saiba o que vim a sentir,
amor nunca antes experimentado.

Sei que esta história não é animada,
não tendo o final que lhe é costumeiro,
mas ao contrário dum conto de fada,
esta é uma história de amor verdadeiro.

Breno Sarranheira.

Imagem: mensagenscomamor.com



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...